Brasil

Volta ou não volta?: Bolsonaro sinaliza chance de retorno do horário de verão

Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro deu, nesta segunda-feira (2), a primeira sinalização de que pode voltar a implementar o horário de verão para lidar com a crise hídrica do País. Em entrevista à Rádio ABC de Novo Hamburgo (RS), ele afirmou que, mesmo sendo contra a medida, se a população mudar de opinião sobre o tema, ele “segue a maioria”. “Se a maioria da população quiser a volta, eu posso fazer isso aí.”

Bolsonaro disse que vai falar com uma rádio que “ouve quase sempre”, para que a emissora faça uma pesquisa com seus ouvintes e veja a “vontade popular” em relação ao tema, e sugeriu que a rádio local de Novo Hamburgo faça a mesma coisa. De acordo com o presidente, a falta de apoio popular seria um dos motivos que pesam contra a retomada da medida, já que, até o momento, ele vê que a maioria da população continua contrária à implementação do horário de verão.

“No momento, eu sei que para alguns setores aumenta o faturamento, porque as pessoas ficam mais tempo aí frequentando o comércio, isso a gente pesa aqui também. Mas no momento não tem clima, apoio popular, para a gente voltar o horário de verão”, disse.

O horário de verão foi extinto por Bolsonaro em abril de 2019. O estudo usado como argumento pelo governo apontava que mudanças nos hábitos do consumidor e o avanço da tecnologia reduziram a relevância da economia de energia com a medida ao longo dos anos, principalmente pela popularização dos aparelhos de ar condicionado.

Blog do BG com Terra

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paraíba

Sine/PB oferta mais de 500 vagas de emprego em seis cidades a partir de segunda-feira (02)

Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Sistema Nacional de Emprego na Paraíba (Sine/PB) está disponibilizando, a partir da próxima segunda-feira (2), 509 oportunidades de empregos em seis municípios: João Pessoa, Campina Grande, Guarabira, Mamanguape, Pombal e São Bento. A maior quantidade de oportunidades está na capital, onde estão sendo oferecidas 346 vagas, das quais 100 para o cargo de atendente telemarketing e 75 vagas para auxiliar de linha de produção. Já na cidade de Campina Grande estão sendo disponibilizadas 109 vagas, sendo o maior número de ofertas para os cargos de consultor de vendas (30); vendedor pracista (12) e encanador (10).

Atualmente, o Sine/PB conta com 11 postos em funcionamento, dos 15 postos existentes no Estado. Os trabalhadores interessados poderão buscar atendimento nos postos existentes nos municípios de João Pessoa, Campina Grande, Cajazeiras, Monteiro, Pombal, Sapé, Bayeux, Conde, Guarabira, Itaporanga e São Bento.

O atendimento no órgão é prestado de segunda a quinta-feira, das 8h30 às 16h30, por ordem de chegada: são distribuídas 140 fichas, sendo 80 para atendimento sobre Seguro Desemprego e 60 para consulta de emprego. Confira aqui as vagas.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Com onda de frio, estimativa é de alta de alimentos e inflação de 7%

Foto: André Fernandes/Prefeitura de Canela

As geadas da semana passada e as esperadas até amanhã vão pressionar o preço dos alimentos e se somar a um cenário já complexo para a inflação, que está fazendo economistas reverem as projeções para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de 2021.

As estimativas começam a ultrapassar os 7%, quase dois pontos porcentuais acima do teto para a inflação perseguido pelo Banco Central. Se isso se verificar, o país registrará neste ano a maior inflação desde 2015, quando foi de 10,67%.

“A onda de frio é mais uma incerteza que a gente tem na inflação, porque ela pode afetar a safra de vários alimentos que tem peso na cesta básica, como a carne bovina, o laticínio, o leite, os derivados da cana, como o açúcar e etanol, e todos fazem parte da variação do custo de vida”, afirma o economista André Braz, do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas).

Segundo André Braz, além do impacto do clima nos preços dos alimentos, o aumento da energia elétrica e combustíveis eleva o risco de o país fechar o ano de 2021 com inflação acima de 7% no acumulado.

As projeções atuais contrastam com o que se esperava no início do ano, quando se tinha a expectativa de que os preços aumentassem por volta de 3,5% em 2021. Até agora, a principal alavanca da inflação foi a gasolina, que, segundo a Tendências, deve subir 24,5% com o aumento da demanda global decorrente do reaquecimento econômico.

Nos últimos meses, a crise hídrica também passou a ser motivo de preocupação. Diante da falta de água e dos consequentes reajustes na conta de luz, a alta na energia já acrescentou 0,68 ponto porcentual ao IPCA e poderá adicionar mais 0,13 ponto caso um novo reajuste seja aprovado – como é esperado –, de acordo com o Santander.

Agora, é a vez de a geada dar mais um impulso à inflação. Por enquanto, as produções de café, hortaliças e frutas foram as que tiveram as maiores perdas. Com a redução da oferta, os preços devem subir rapidamente. A XP calcula que esse efeito possa significar mais 0,1 ponto porcentual ao IPCA.

“Apesar de ser um aumento menor, esse risco é o mais provável. Os agricultores já estão reportando perda na produção. Isso vai bater provavelmente nos preços coletados na semana que vem”, diz Tatiana, da XP. O outro risco no radar da economista é uma elevação maior nos preços dos serviços em decorrência da reabertura da economia. Segundo ela, esse movimento pode acrescentar mais 0,2 ponto porcentual à inflação.

Prejuízo no campo – No Santander, o impacto da geada fez os economistas elevarem a projeção do IPCA de alimentos de 7% para 8,2% neste ano. Só no Estado de São Paulo, a perda na produção deve ficar, em média, entre 15% e 20%, de acordo com a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado. O vice-presidente da entidade, Tirso Meirelles, classificou a geada da semana passada como a pior desde 1975 para o setor.

Blog do BG com R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paraíba

Menor preço da gasolina continua em R$ 5,379, na capital; Confira pesquisa completa

Foto: reprodução

O menor preço da gasolina na Capital vem se mantendo em R$ 5,379 há duas semanas, constata pesquisa comparativa de preços para combustíveis realizada no dia 29 de julho pela Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) e está sendo praticado nos postos Três Lagoas (Costa e Silva), Elesbão (Água Fria) e Ale (Geisel). Comparado com o levantamento do último dia 21, o maior preço reduziu R$ 0,7, saindo de R$ 5.899 para R$ 5,829 (Pichilau Gauchinha – Distrito Industrial).

O levantamento, que foi realizado em 112 postos de João Pessoa, mostra que a gasolina aumentou em quatro locais, diminuiu em 19 e se manteve em 88, registrando, também, que a maior média de variação para pagamento em dinheiro é do álcool, 15,6%, com a gasolina comum permanecendo com a menor: 8,4%.

Álcool – O litro do álcool também mostrou leve redução em relação ao levantamento do último dia 21 e caiu de R$ 4,679 para R$ 4,699 (Pichilau Ronaldão – Cristo), com o maior se mantendo em R$ 5,429 (Pichilau Gauchinha – Distrito Industrial). O produto aumentou em 38 postos, reduziu em três e se manteve em 66.

Diesel S10 – O diesel S10 foi o único combustível que registrou alta no menor preço em comparação com a semana passada, três centavos, subindo de R$ 4,439 para 4,469 (Expressão – Centro e Triunfo – Torre). Já o maior preço do produto reduziu quatro centavos e está sendo comercializado a R$ 4,899 (JR e Quadramares – Manaíra e Big e Select – Tambaú). Cinco postos aumentaram em relação à pesquisa anterior, cinco reduziram e 92 mantiveram os preços.

GNV – Os preços do Gás Natural Veicular (GNV) vêm se mantendo desde o mês de maio, oscilando entre R$ 3,970 (Estrela – Geisel, Bancários – Bancários, Maxi Posto – Oitizeiro e Metrópole – Tambiá) e R$ 4,499 (Posto Z – Jardim Cidade Universitária). Os 13 locais que estavam revendendo o produto na Capital no dia da pesquisa do Procon-JP mantiveram os mesmos preços em relação ao levantamento da semana passada. Para acessar a pesquisa completa clique aqui.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Aluguel com vencimento em agosto ficará 33,8% mais caro, aponta FGV

Foto: Rizemberg Felipe/Jornal da Paraíba

O índice utilizado para corrigir a maior parte dos contratos de aluguel no Brasil manteve e trajetória de alta iniciada há mais de um ano e subiu 0,78% em julho. A variação representa uma aceleração em relação ao salto de 0,6% registrado em junho.

Com a variação divulgada nesta quinta-feira (29) pela FGV (Fundação Getulio Vargas), o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) acumula alta 33,83% nos últimos 12 meses, percentual que será repassado às locações com vencimento no mês de agosto.

Significa dizer que os inquilinos que pagam atualmente um aluguel de R$ 1.300 terão que desembolsar R$ 1.739,79 (+R$ 439,79) todos os meses para continuar morando no mesmo imóvel. Para evitar o peso no bolso, especialistas recomendam a renegociação com o proprietário do imóvel.

O percentual acumulado a ser aplicado nos contratos de locação com vencimento em julho corresponde a um patamar 1,92 ponto percentual inferior ao reajuste dos contratos que venceram neste mês de julho (35,75%). A desaceleração no índice acumulado é a segunda desde a disparada iniciada em maio de 2020, quando o IGP-M passou a figurar em 6,51%, ante 6,68% do mês anterior.

Para André Braz, coordenador dos índices de preços da FGV, afirma que o resultado do mês ocorre com o aumento dos preços aos produtores, que subiram devido aos efeitos sazonais, exportações e a alta nos preços das rações.

Entre as variações, ele cita o minério de ferro (de -3,04% para 2,7%), adubos ou fertilizantes (de 5,7% para 14,28%) e leite in natura (de 6,2% para 5,74%). “No âmbito do consumidor, os destaques foram os energéticos. A tarifa elétrica avançou 5,87% e o GLP 4,05%”, analisa ele.

Blog do BG com R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paraíba

saldo positivo: Paraíba fecha primeiro semestre com mais de 7 mil novos empregos formais

Foto: reprodução internet

O mercado de trabalho paraibano fechou o primeiro semestre com saldo de 7.293 novos postos com carteira assinada, com base nas informações do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Este saldo é o resultado da diferença do número de admissões que chegaram a 74.968 postos contra 67.675 desligamentos, entre janeiro e junho deste ano.

Com 3.265 postos criados, o mês de junho registrou o maior volume de empregos no primeiro semestre na Paraíba. Os cinco maiores setores da economia registraram alta na Paraíba: serviços (1.109), comércio (885), indústria (575), construção (551) e agropecuária (145).

O mês de junho também foi o quarto mês seguido de saldo positivo. Os outros três meses, com base nos maiores saldos, foram maio (2.847), março (1.943) e abril (607), enquanto janeiro (-297) e fevereiro (-1.072) foram os únicos meses de baixa no primeiro semestre. O estoque de empregos até o mês de junho, englobando todos os setores, é de 409.194 postos com carteira assinada.

Cenário Regional – Todas as regiões do país tiveram saldo positivo na geração de emprego em junho, sendo que houve aumento de trabalho formal nas 27 unidades da Federação. Ainda de acordo com os dados, houve saldo positivo na geração de empregos formais nas cinco regiões brasileiras em junho: Sudeste (160.377 postos); Nordeste (48.994 postos); Sul (42.270 postos); Centro-Oeste (35.378 postos) e Norte (22.064 postos).

No acumulado do primeiro semestre, o País gerou um saldo de empregos formais de 1.536.717 vagas, decorrente de 9.588.085 admissões e de 8.051.368 desligamentos. No último mês de junho, o País criou 309,1 mil vagas formais.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paraíba

Procon-JP registra variação de 90% nos preços dos produtos de higiene pessoal, na capital

Foto: reprodução

O Procon de João Pessoa alerta ao consumidor que for fazer feira de produtos higiênicos esta semana para ficar atento às diferenças nos preços nos supermercados da Capital, já que a pesquisa realizada no último dia 27 encontrou uma variação de até 90,65% na unidade do sabonete Lux 85g, com os preços oscilando entre R$ 1,39 (Varejão do Preço – Varjão) e R$ 2,65 (Super Box – Geisel), uma diferença de R$ 1,26. O levantamento traz preços, ainda, para material de limpeza e de alimentos.

A pesquisa foi realizada em oito supermercados da Capital e levantou preços de 97 itens, constatando outras variações significativas nos produtos de higiene pessoal: 76,70% no pacote com 4 rolos do papel higiênico Personal, com preços entre R$ 3,39 (Varejão do Preço – Varjão) e R$ 5,99 (Manaíra – Manaíra); 58,46% no creme dental Oral B (dentes brancos), com preços entre R$ 1,95 (Latorre – Torre) e R$ 3,09 (Carrefour – Aeroclube); 54,26% no sabonete Palmolive 85g, com preços entre R$ 1,29 (Varejão do Preço – Varjão) e R$ 1,99 (Carrefour – aeroclube);

Alimentos – As maiores variações no item alimentos foram encontradas no macarrão espaguete Vitarella 500g, 56,32%, com preços entre R$ 2,49 (Varejão do Preço – Varjão) e R$ 3,89 (Bemais – Manaíra), diferença de R$ 1,40; no pacote de biscoito Cream Cracker Vitarella 400g, 51,49%, com preços entre R$ 3,69 (Extra – Epitácio Pessoa) e R$ 5,59 (Santiago – Torre), diferença de R$ 1,90; e no quilo do sal refinado Marlin, 50,42%, com preços entre R$1,19 (Varejão dos Preços – Varjão) e R$ 1,79 (Bemais – Manaíra), diferença de R$ 0,60.

Produtos de limpeza – As oscilações nos preços de produtos de limpeza também mostram grandes variações, a exemplo do sabão em barra Bem Ti Vi (pacote com 5 unidades), 43,48%, com preços entre R$ 7,59 (Varejão do Preço – Varjão) e R$ 10,89 (Carrefour – Aeroclube), diferença de R$ 3,30; no sabão em pó Ala 500g, 40,16%, com preços entre 2,49 (Varejão do Preço – Varjão) e R$ 3,49 (Latorre – Torre), diferença de R$ 1,00; e no sabão em pó Omo 400g, 39,67%, com preços entre R$ 4,79 (Super Box Brasil – Geisel) e R$ 6,69 (Latorre – Torre), diferença de 1,90.

Os supermercados – A pesquisa levantou preços nos seguintes estabelecimentos: Santiago e Latorre (Torre); Carrefour (Aeroclube); Extra (Epitácio Pessoa); Bemais e Manaíra (Manaíra); Varejão do Preço (Varjão) e Super Box Brasil (Geisel).

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Prefeitura de João Pessoa paga salários de julho nesta quinta (29) e sexta-feira (30)

Foto: Secom/JP

A Prefeitura de João Pessoa paga os salários deste mês de julho nesta quinta (29) e sexta-feira (30). A tabela de pagamento foi definida pela Secretaria de Administração (Sead) e Secretaria Executiva de Finanças. De acordo com o planejamento, nesta quinta-feira recebem os servidores aposentados e pensionistas do Instituto de Previdência do Município (IPM). Já na sexta-feira, os profissionais da ativa, comissionados e prestadores de serviço recebem seus proventos.

O pagamento acontece dentro do mês de exercício conforme compromisso da atual gestão na área de valorização dos servidores. Desde janeiro, os profissionais recebem os salários no mês trabalhado, podendo realizar o planejamento familiar e honrar com compromissos todo início de mês.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paraíba

Fabricante da Brastemp e Consul vai instalar Centro de Distribuição na PB

Foto: divulgação

A empresa Whirlpool, responsável pela fabricação de eletrodomésticos das marcas Brastemp, Consul e KitchenAid, vai instalar um novo Centro de Distribuição da Paraíba. A unidade ficará em Alhandra, na Região Metropolitana de João Pessoa.

“A Whirlpool é uma gigante mundial, atua em vários país com fabricação e distribuição de produtos. Essa é uma empresa que escolheu a Paraíba pelas condições oferecidas”, disse o governador João Azevêdo (Cidadania).

A operação da começa já a partir de agosto. O galpão onde funcionará o Centro de Distribuição, segundo o governador, já está construído. O termo de cooperação foi assinado na manhã desta segunda-feira (26).

MaisPB

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Brasil

Bolsonaro veta garantia de verba para entidades durante pandemia

Imagem: José Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente o Projeto de Lei 4113/20, que prevê o repasse de pelo menos 70% dos recursos previstos para parcerias com o terceiro setor durante a pandemia de Covid-19. O texto vetado busca evitar que as verbas para essas organizações sejam congeladas ou interrompidas.

Segundo o Ministério da Economia, a proposta cria despesas obrigatórias sem apresentar a estimativa dos impactos orçamentário e financeiro, infringindo assim o teto de gastos (Emenda Constitucional 95), a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) atualmente em vigor.

Publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (23), o veto será analisado pelo Congresso Nacional. Para derrubar um veto presidencial são necessários, no mínimo, 257 votos na Câmara dos Deputados e 41 no Senado. Um veto mantido pela casa legislativa de origem não precisa ser analisado pela outra.

O terceiro setor engloba organizações da sociedade civil (ONGs). O texto vetado trata daquelas discriminadas na Lei 13.019/14, com diversas áreas de atuação, e permite ainda a prorrogação de ofício dos convênios, desde que limitada ao período de vigência de medidas restritivas para combate ao novo coronavírus.

Agência Câmara de Notícias

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.