Polêmica

NOVE ANOS DE PRISÃO: Justiça italiana condena Robinho por violência sexual

Divulgação

A Corte de Cassação da Itália, última instância do judiciário do país, confirmou nesta quarta-feira (19) a condenação do jogador Robinho e de seu amigo, Ricardo Falco, a nove anos de prisão por violência sexual de grupo. A sentença vai sair em 30 dias.

O julgamento ocorreu na Corte de Cassação de Roma, que no ordenamento jurídico italiano é equivalente ao Supremo Tribunal Federal no Brasil. Robinho e seus advogados apresentaram nesta manhã o último recurso, que foi negado pela corte italiana.

Mesmo com a condenação em última instância, Robinho e Falco não poderão ser extraditados para a Itália, já que a Constituição de 1988 proíbe a extradição de brasileiros. Além disso, o tratado de cooperação judiciária em matéria penal entre Brasil e Itália, assinado em 1989 e ainda em vigor, não prevê que uma condenação imposta pela justiça italiana seja aplicada em território brasileiro.

Assim, Robinho e Falco correm o risco de serem presos somente se realizarem viagens ao exterior – não necessariamente à Itália. Para isso, o Estado italiano precisa emitir um pedido internacional de prisão que poderia ser cumprido, por exemplo, em qualquer país da União Europeia.

Os dois foram arrolados no artigo “609 bis” do código penal italiano, que fala sobre a participação de duas ou mais pessoas reunidas para o ato de violência sexual – forçando alguém a manter relações sexuais por sua condição de inferioridade “física ou psíquica”. A vítima diz que foi embriagada e abusada sexualmente por seis homens enquanto estava inconsciente. Os defensores dos brasileiros dizem que a relação foi consensual.

Globo Esporte

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Após polêmica na Austrália, Lacoste diz que irá conversar com Djokovic e põe em xeque patrocínio milionário do atleta

Dois dias após ser deportado, Novak Djokovic continua sentindo os impactos de sua polêmica passagem pela a Austrália. Nesta segunda-feira, dia 17, a Lacoste, marca francesa de roupas que patrocina o tenista, disse que irá entrar em contato com o sérvio o mais rápido possível para “revisar os acontecimentos” que acompanharam o número 1 do mundo na última semana.

Ele está fora do Aberto da Austrália após novela judicial por causa de problemas no visto referentes à falta de comprovação de vacinação contra a covid.

“Assim que possível, entraremos em contato com Djokovic para revisar os eventos que acompanharam sua presença na Austrália. Desejamos a todos um excelente torneio e agradecemos aos organizadores por todos os esforços para garantir que o torneio seja realizado em boas condições para jogadores, funcionários e espectadores”, disse a empresa em comunicado.

A Lacoste é a primeira patrocinadora de Djokovic a romper o silêncio e colocar em xeque o apoio ao tenista. Segundo a imprensa dos EUA, o contrato entre as partes gira em torno de U$ 9 milhões (R$ 49,7 milhões). O acordo foi firmado em 2017, quando o sérvio abandonou a japonesa Uniclo.

O comunicado da empresa francesa acontece na esteira de mais uma dor de cabeça para o tenista sérvio. A França aprovou no domingo o passaporte vacinal. Assim, atletas que pretendem competir em solo francês devem apresentar o comprovante de imunização, algo que Djokovic não tem porque se recusa a tomar a vacina contra covid-19.

É provável, portanto, que o número 1 do mundo não esteja na chave de Roland Garros, o segundo Grand Slam da temporada. Desta forma, a empresa francesa não terá seu maior garoto-propaganda no maior torneio francês do ano, que também é o maior palco de divulgação da marca, em Paris.

Segundo a revista Forbes, Djokovic faturou em 2021 cerca de US$ 30 milhões (R$ 165,7 milhões) com patrocínios. Entre as outras marcas que apoiam o tenista estão a montadora francesa Peugeot e a empresa de material esportivo Asics.

Terra com Estadão Conteúdo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

FOGO NO PARQUINHO: Globo proíbe jornalistas de criticarem o BBB nas redes sociais

Divulgação

Nada de comentários críticos ao Big Brother Brasil nas redes sociais. Essa foi a orientação repassada pela chefia aos jornalistas da emissora, no Rio de Janeiro. A orientação foi revelada na noite desta segunda-feira (17), momentos antes da estreia do reality show.

Fontes ouvidas pela coluna LeoDias revelaram que a chefia da redação ligou para repórteres que não estava presentes e reuniu os jornalistas que davam expediente para comunicar a decisão. O aviso foi claro: os jornalistas da emissora estão terminantemente proibidos de elogiar ou criticar qualquer participante desta edição do BBB nas redes sociais.

A determinação teria o objetivo de evitar que o público tivesse a percepção de que a Globo interfere nos rumos do jogo; ou que a emissora tem qualquer tipo de preferência entre os integrantes do elenco do programa. Comentários considerados como “neutros” estão permitidos. Mas, entre os profissionais presentes no encontro, ficou a impressão de que as tais opiniões só seriam bem vistas se fossem, na verdade, elogios ao reality.

Nos bastidores, ganhou força a interpretação de que a advertência está relacionada à irritação de Boninho diante de comentários feitos pelo correspondente internacional da TV Globo em Londres, Rodrigo Carvalho. Na última sexta-feira (14), enquanto os nomes dos participantes do BBB era revelados nos intervalos comerciais da Globo, Rodrigo declarou torcida contra a participante Laís e foi irônico ao comentar sobre a sister Eslovênia: “Preparando a sugestão de pauta ‘Conheça a Eslovênia’ pro Show da Vida de domingo”. Visivelmente contrariado, Boninho retuitou o comentário e escreveu: “Ô Rodrigo, cai na real e para de caçar click! Você não precisa disso!”.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

“COMEÇOU A DOMINAR”: Ex-ministros Weintraub e Ernesto Araújo criticam aliança de Bolsonaro com Centrão

Divulgação

Os ex-ministros Abraham Weintraub (Educação) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) criticaram na segunda-feira (17) a aliança do presidente Jair Bolsonaro com partidos do Centrão. Para Araújo, o grupo “começou a dominar o governo e pautar o governo”, prejudicando a política externa. Já Weintraub disse que os conservadores foram “substituídos por essa turma”.

As declarações ocorreram durante o “ConservaTalk”, programa no Youtube do qual os dois fazem parte, ao lado do também ex-ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) e de outras personalidades de direita. O convidado do programa foi o pastor Silas Malafaia, que criticou a postura de ministros palacianos durante o processo de indicação de André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal (STF).

As críticas ao Centrão começaram justamente quando Malafaia disse que os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e Fábio Faria (Comunicações) não se empenharam na aprovação do nome de Mendonça, que demorou quatro meses e meio para ter sua indicação analisada pelo Senado.

“Quando é que abertamente que Ciro Nogueira, que Fábio Faria e (Flávia) Arruda, abertamente declararam apoio ao André? Onde? O que eles gravaram? Qual o vídeo?”, questionou Malafaia.

Eles eram obrigados a fazer campanha ostensiva a favor de André e eles não fizeram.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

FOLHA MILIONÁRIA: Ministério Público da Paraíba gasta R$ 17 milhões pra bancar supersalários; Veja quanto cada Procurador e Promotor recebeu

Foto: Divulgação

A folha de pagamento do Ministério Público da Paraíba, considerando apenas os salários dos 215 membros ativos no estado entre procurador e promotor, custou R$ 16.962.652,71 no mês de dezembro de 2021.

O salário menor pago a um membro ativo da instituição foi de R$ 31.291,22 para promotor substituto, chegando a R$ 102.686,53 para procurador. Do total da folha, 209 promotores estaduais são beneficiados com os supersalários e apenas 6 recebem menos do que o limite do teto previsto na legislação (até R$ 39.293,32).

A remuneração básica é, em média, R$ 30 mil, mas esse total recebido em um mês chega turbinado não só pelo décimo terceiro e adicional de férias, mas também, por bonificações acrescidas aos pagamentos a exemplo de abono de permanência, verbas indenizatórias e outros benefícios que, somados, ultrapassam R$ 100 mil recebidos somente no mês de dezembro de 2021.

Veja a tabela com a lista dos promotores e procuradores e seus respectivos salários na Paraíba. Os dados fazemparte de um levantamento do Blog do BG PB no Portal da Tranparência do MPPB.

Folha de Pagamento do MPPB em dezembro – Promotores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

CLIMA PESOU: Onze entidades da Polícia Civil emitem nota de repúdio contra Wallber Virgulino

Onze entidades representativas da Polícia Civil emitiram nota de repúdio contra o deputado estadual Walber Virgolino (Patriota), delegado de carreira, que chamou os policiais de “cornos, medíocres e fracos” pelo acordo da categoria com o governo estadual.

Eles afirmam que os projetos pessoais de Virgulino nunca ajudaram a categoria e apelam para que a Paraíba abra o olho com o parlamentar. “Os policiais civis já abriram”.

Foto: Reprodução

 

No início, pelo menos três áudios envolvendo o parlamentar foram vazados, quando Virgolino criticou o acordo que policiais fizeram com o Governo do Estado em relação ao reajuste das categorias.

O deputado chegou a chamar os colegas de ‘‘medíocres, fracos, moleques, desgraças e cornos’’ e se desculpou depois, após a repercussão negativa.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

“NÃO QUERO SUA AMIZADE”: Wallber acusa Cabo Gilberto de falsidade e sugere rompimento político

Foto: Reprodução

O deputado estadual Walber Virgolino (Patriota) soltou o verbo contra o também deputado Cabo Gilberto (PSL), ao acusá-lo de ter “duas conversas” em relação às reivindicações dos policiais.

“Me esquece e manda o teu povo esquecer o meu nome. Faça um favor, não quero nem mais amizade com você. Esqueça meu nome e mande seus babões também. Faz o teu, que eu faço o meu”, diz Walber.

No início, pelo menos três áudios envolvendo o parlamentar foram vazados desde ontem (12), quando Virgolino criticou o acordo que policiais fizeram com o Governo do Estado em relação ao reajuste das categorias. O deputado chegou a chamar os colegas de ‘‘medíocres, fracos, moleques, desgraças e cornos’’ e se desculpou depois, após a repercussão negativa.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

DE ASSESSOR A CANDIDATO: Queiroz diz que foi convidado por quatro partidos

Divulgação

Fabrício Queiroz disse nesta quinta-feira (13) que recebeu convites de filiação de quatro partidos. O ex-assessor de Flávio Bolsonaro não quis revelar quais são as legendas “para não ter atrito”, mas contou que se encontrará na próxima semana com o presidente do PTB no Rio de Janeiro, Marcus Vinicius Vasconcelos.

“Ainda não tem nada certo, mas ainda bem que as pessoas estão vindo me procurar e eu tenho espaço e oportunidades”, disse Queiroz sobre a possibilidade de se lançar como candidato a deputado federal pelo Rio de Janeiro nas eleições deste ano.

Na última semana, Queiroz esteve em Brasília e se reuniu com a presidente do PTB, Graciela Nienov. O ex-assessor de Flávio disse que a “conversa foi boa” e que falaram sobre a possibilidade de ele se candidatar pelo partido. Mas ainda não há definição.

“Falamos sim sobre a filiação e sobre a candidatura, mas sobre as possibilidades, não tem nada certo. Muitos partidos de direita estão vindo me procurar, estamos conversando”, afirmou.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

“FOI NO CALOR DA EMOÇÃO”: Wallber se desculpa após soltar o verbo contra os policiais civis

Foto: Reprodução

O deputado estadual Walber Virgolino (Patriota) recuou nesta quinta-feira, (13), sobre os ataques ontem aos policiais civis pelo acerto com o governo estadual para incorporação da bolsa desempenho em 100%.

Em um novo áudio, Virgolino disse que chamou os civis de “corno, desgraças e medíocres” no calor do momento e pediu para que a categoria não fique contra ele.

A presidente do Sindicato dos Investigadores da Polícia Civil, Suana Melo, repreendeu as críticas feitas pelo deputado estadual Walber Virgolino (Patriota) à instituição. Ela classificou a atitude do parlamentar como “despreparo” e falta de gratidão .

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

“DESPREPARO”: Sindicato reage após Wallber Virgulino chamar os policiais civis de “cornos, fracos e medíocres”

Foto: Reprodução

A presidente do Sindicato dos Investigadores da Polícia Civil, Suana Melo, repreendeu as críticas feitas pelo deputado estadual Walber Virgolino (Patriota) à instituição. Em entrevista a Rede Mais Rádio, nesta quarta-feira (12), Suana classificou a atitude do parlamentar como “despreparo” e falta de gratidão .

“A postura de um parlamentar eleito pelo povo deveria ser de buscar canais de diálogo que possam trazer melhorias para a população. É uma demonstração clara de despreparo e de falta de comprometimento com a Polícia Civil.”, disse, em entrevista ao programa.

Suana Melo ainda lembrou que Walber foi eleito deputado estadual em 2018 com apoio da classe policial. Ela criticou a atuação do parlamentar na Assembleia Legislativa do estado e disse que ele não contribuiu de forma positiva com a instituição.

“Se hoje ele é parlamentar é por causa de policiais que acreditavam no trabalho dele. Ele não fez articulações necessárias que pudessem agilizar a valorização dos trabalhadores, preferindo uma postura de uma oposição que não trouxe grandes frutos para a população e nem mesmo para a Polícia Civil. Continuamos na luta, ao contrário dele, que deixou a instituição.”, frisou.

Em um áudio que circula nas redes sociais, Wallber Virgolino chamou policiais civis da Paraíba de “cornos, fracos e medíocres”. As críticas do deputado se deram após agentes de segurança acenarem positivamente a proposta apresentada pelo governador João Azevêdo (Cidadania) de reajuste salarial e incorporação da bolsa desempenho.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *