Protestos

PROTESTO: Movimento faz denúncia ao MP após poluição de praias e rios na Paraíba e marca ação neste sábado

 

 

Integrantes do movimento ‘Esgotei’ participam, nesta quarta-feira (8), de uma reunião com a promotora de Justiça, Cláudia Cabral, para denunciar a poluição de rios e das praias da orla paraibana e cobrar uma solução para o problema.

Durante o encontro, o movimento ‘Esgotei’ vai expor um vasto material com a atual situação das praias e os impactos provocados pelo despejo de esgoto ao longo do litoral.

“Essa é uma causa de toda sociedade, que busca a preservação das nossas praias e de todo ecossistema presente nesses locais. Por isso, não podemos permitir que nosso litoral continue sendo depósito de esgoto”, disse Marco Túlio Gusmão, um dos membros do movimento.

De acordo com Marco Túlio, o movimento também está organizando uma manifestação que acontecerá neste sábado (11), a partir das 7h, no Busto de Tamandaré, em João Pessoa.

Ele explicou que protesto é um pedido de socorro para os rios e mares do Estado e está sendo organizado por pessoas comuns, que preocupadas com a situação resolveram cobrar uma solução para o problema.

“Para que todos entendam: ESGOTEI!!! É um movimento criado por pessoas comuns que resolveram soltar um grito contra a poluição de rios e mares. Principalmente pelo que está acontecendo hoje em João Pessoa, onde quase não temos mais praias limpas para o banho. Vista-se de preto. Junte-se a essa causa. 11 de maio, 7 horas. Movimento ESGOTEI”, disse.

Para receber essa e outras notícias acesse o grupo do BG PB no Whatsapp

Blog do BG PB com Clickpb

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

PROTESTO: Servidores da UFPB e IFPB protestam contra ministro da Educação em João Pessoa e cobram reajuste salarial

Foto: Albemar Santos/Rede Mais

Os professores da Universidade e Instituto Federal da Paraíba protestaram nesta manhã de sexta-feira (3) em evento que recebe o ministro da Educação, Camilo Santana. A solenidade acontece na cidade de João Pessoa, no Teatro Pedra do Reino. Os funcionários levaram faixas, bandeiras e megafones para reivindicar maiores investimentos no ensino superior.

Nos arredores do Teatro Pedra do Reino, a segurança para a solenidade do ministro, que irá lançar de forma oficial o programa governamental “Pé-de-Meia”, isolou as entradas para o local, deixando apenas uma opção. Os protestantes estão sendo barrados de entrar no teatro com as faixas, bandeiras e outros adereços, somente entram individualmente.

De acordo com Hélio Graça, coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica da Paraíba (Sintef-PB), o protesto junta três entidades voltadas à educação e técnico-administrativo. Todos buscam aumento no percentual salarial, atualização do plano de carreiras e recomposição orçamentária.

De acordo com informações apuradas pelo Portal MaisPB, o ministro Camilo Santana decidiu que, após o evento que será realizado no teatro, irá se reunir com uma comissão de professores que protestam no local. A expectativa é ouvir as demandas da categoria e trabalhar para uma solução viável.

“Eu creio que isso foi uma importante sinalização que o Ministério da Educação deu para a gente. Ele mesmo demonstrou interesse em receber os integrantes do comando de greve estadual das três entidades”, disse o coordenador-geral do Sintef-PB, Hélio Graça.

“A gente veio dialogar com a ‘estudantada’ da rede estadual, do instituto federal. A gente entende que o Pé-de-Meia é um importante programa que o Governo está lançando, mas ao mesmo tempo a gente entende que é de suma importância que os servidores sejam valorizados e sejam enxergados com o mesmo carinho que os estudantes do nosso país”, completou.

Para receber essa e outras notícias acesse o grupo do BG PB no Whatsapp

Blog do BG PB

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

(VÍDEO) ‘PROTESTO’ PM dispersa com balas de borracha motoboys que protestam contra dono de academia em JP

A Polícia Militar da Paraíba lançou balas de borracha para dispersar os motoboys que protestam na noite desta quinta-feira (02/05), no bairro de Cuiá, em João Pessoa, contra o dono de uma academia que é acusado de agressão contra um motoqueiro na noite de ontem durante uma entrega.

A manifestação acontece desde às 18h. O trânsito foi bloqueado e é lento nas imediações dos bairros Água Fria, Geisel e Cuiá.

O grupo cobrava uma retratação de Anderson Silva, dono da academia, que aconteceu após o início do protesto de hoje.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

Após corte de energia, funcionários do Campinense protestam contra atraso nos salários

Funcionários do Campinense Clube protestaram nesta segunda-feira (15/4) contra os salários atrasados. A manifestação aconteceu em frente à sede do clube em Campina Grande.

Cerca de 5 funcionários colocaram cartazes cobrando o pagamento da direção pelos serviços prestados ao Campinense.

Em grave crise financeira, a Raposa sofreu há 10 dias o corte de energia e de internet por atraso de pagamentos. Graças a uma vaquinha da torcida os serviços foram normalizados.

Em campo, o Campinense foi eliminado precocemente do Campeonato Paraibano e não tem calendário para o restante do ano e nem para 2025.

Para receber essa e outras notícias acesse o grupo do BG PB no Whatsapp

Blog do BG PB com MaurílioJR

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

Servidores federais de educação iniciam greve na PB e outros 17 estados nesta quarta

Servidores federais entram em greve -(Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Servidores federais que atuam na área de educação iniciarão, a partir de quarta-feira (3), uma greve nacional por tempo indeterminado que, segundo o Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), contará com a adesão de mais de 230 unidades de ensino em pelo menos 18 unidades federativas.

Coordenador geral do Sinasefe, David Lobão diz que a greve abrangerá professores e funcionários técnico-administrativos dos Institutos federais de mais de 600 campi; Colégio Pedro II; Instituto Nacional de Educação de Surdos; Instituto Benjamin Constant; bem como colégios e escolas federais vinculadas ao Ministério da Defesa.

Além de uma recomposição salarial que varia de 22,71% a 34,32%, dependendo da categoria, os servidores pedem também reestruturação das carreiras da área técnico-administrativa e de docentes; a revogação de “todas as normas que prejudicam a educação federal aprovadas nos governos Temer e Bolsonaro”; bem como a recomposição do orçamento e o reajuste imediato dos auxílios e bolsas dos estudantes.

Aprovada durante rodadas de assembleias realizadas desde o dia 18 de março em 29 seções sindicais, a greve será nacional e por tempo indeterminado, conforme informado no dia 28 de março documento protocolado junto aos ministérios da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, da Defesa e da Educação, bem como ao Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).

Governo

Contatado pela Agência Brasil, o Ministério da Gestão informou que, em 2023, viabilizou, a partir de negociação com as entidades representativas dos servidores federais, reajuste linear de 9% para todos os servidores, além do aumento de 43,6% no auxílio-alimentação.

“Esse foi o primeiro acordo para reajustes fechado entre o governo e servidores em oito anos”, destacou a pasta, ao acrescentar que, no segundo semestre de 2023, iniciou debate sobre reajuste para o ano de 2024.

Ainda de acordo com o ministério, como parte desse processo foram abertas mesas específicas para tratar de algumas carreiras.

“A recomposição da força de trabalho na Administração Pública Federal, para recuperar a capacidade de atuação do governo para a execução de políticas públicas, é pauta prioritária do Ministério da Gestão, que vem atuando dentro do possível e dos limites orçamentários para atender às demandas dos órgãos e entidades do Executivo Federal”, informou o ministério.

No caso específico da carreira de técnicos-administrativos educacionais, dois ministérios (o da Gestão e o da Educação) criaram grupo de trabalho para tratar da reestruturação do plano para cargos técnico-administrativos em educação.

No dia 27 de março, o relatório final do grupo foi entregue à ministra Esther Dweck, do Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, para servir de “insumo” para a proposta de reestruturação de carreira que será apresentada na mesa de negociação.

Para receber essa e outras notícias acesse o grupo do BG PB no Whatsapp

Blog do BG PB

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

Motoboys protestam contra regulamentação da categoria em João Pessoa

Um grupo de motoboys realizou, no fim da manhã desta segunda-feira (25), uma manifestação pelas principais ruas de João Pessoa contra a proposta de regulamentação da categoria em discussão no Congresso Nacional.

A Presidência da República já encaminhou uma proposta que trata sobre os profissionais que trabalham com o transporte de passageiros através de aplicativos e agora faz uma discussão em relação a entregadores de alimentos e outros produtos, a exemplo do iFood.

Representantes da categoria disseram que o ato visa dar “um recado” de que não aceitam a regulamentação como está desenhada hoje em Brasília.

O protesto passou pela avenida Epitácio Pessoa e seguiu até a Praça dos Três Poderes.

Para receber essa e outras notícias acesse o grupo do BG PB no Whatsapp

Blog do BG PB com MaisPB

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

PROTESTO: Estudantes da rede estadual fecham avenida contra falta de climatização de escola em JP

Protesto

Estudantes da Escola Estadual Audiocomunicação, no bairro Padre Zé, em João Pessoa, bloqueiam o trânsito na tarde desta sexta-feira (8).

De acordo com a Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob-JP), o trânsito na Avenida Mandacaru foi completamente fechada pelos manifestantes. Pneus foram espalhados na pista para impedir a passagem de veículos.

Os estudantes reclamam da falta de climatização nas salas de aula. Mobilizações parecidas ocorreram em outras escolas de João Pessoa e de Santa Rita ao longo desta semana. Os grupos argumentam que o calor intenso e a falta de ar-condicionado ou ventiladores atrapalham o rendimento tanto dos estudantes quanto dos professores.

Blog do BG PB com T5

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

(FOTOS) Pais e mães de autistas protestam em João Pessoa após atendimento a crianças ser suspenso por operadoras de planos de saúde

 

Pais e mães de autistas e profissionais de clínicas que atendem a esse público se uniram em um protesto em João Pessoa na manhã desta sexta-feira (08). Eles reivindicam a retomada e ampliação dos atendimentos às crianças autistas.

Famílias de autistas tiveram seus atendimentos suspensos devido a problemas em algumas operadoras de planos de saúde, como a Unimed JP e Smile Saúde. Há relatos até mesmo de desrespeito a liminares que foram conquistadas na Justiça para garantir o atendimento.

As reivindicações do protesto de hoje são para que as crianças sejam atendidas conforme as suas necessidades. De acordo com os representantes dos autistas, várias clínicas foram descredenciadas pelas operadoras dos planos de saúde, o que acabou prejudicando o atendimento e acompanhamento.

Durante o protesto, Helena Cavalcante, diretora do Instituto Espectro do Saber contou seu relato sobre os problemas que estão afetando seu filho. O acompanhamento que era feito com ele foi suspenso há uma semana e transferiram a criança para um prédio com pouca acessibilidade. Além disso, pediram um prazo de dez dias para que o atendimento completo que ele precisa seja normalizado. Ela lamentou a situação ao dizer que “é a questão econômica se sobressaindo ao direito dos nossos filhos. Isso é inadmissível”.

Atualmente cerca de mil crianças que eram atendidas pela Smile Saúde estão sendo prejudicadas pela falta de atendimento. Já pela Unimed JP, mais de 1.200 crianças estão sem atendimento adequado.

Para receber essa e outras notícias acesse o grupo do BG PB no Whatsapp

Blog do BG PB com Clickpb

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

Professores de Santa Rita decretam greve por tempo indeterminado

Os professores da rede municipal de Santa Rita devem iniciar na próxima terça-feira (05) uma greve por tempo indeterminado. De acordo com o Sindicato dos Funcionários Públicos do Município de Santa Rita, os profissionais da educação tem sido “marginalizados pelo poder público”.

Segundo a categoria, os profissionais acumulam perdas salariais. Eles também revelam que, apesar dos pedidos de negociações feitos ao pelo prefeito Emerson Panta (PP), nenhuma solicitação foi atendida.

Ainda segundo o sindicato, a greve garantirá a manutenção de 30% do total de servidores na ativa durante o período em que durar o movimento grevista.

Confira a nota:

Nos causa perplexidade o nível de desfaçatez contido na nota emitida pela gestão municipal em resposta aos desdobramentos do movimento paredista deflagrado por este sindicato nesta quarta-feira (28).

Enfim, o “diálogo”, a “transparência” e a “valorização” chegaram ao servidor santarritense, mesmo que tenha sido em um ano de eleição.

Ora, são anos buscando o entendimento e a compreensão desta administração em relação aos direitos dos servidores e servidoras deste município, marginalizados por uma postura autoritária do atual prefeito, que desmantelou nossas carreiras depois de anos de luta pela valorização profissional, tão sonhada por cada um de nós.

O texto da gestão fala na concessão de diretos e cita episódios como o dos 33,34% concedidos pelo MEC em 2022, quando desmantelou nossas carreiras, praticando um verdadeiro desmonte na Educação do município.

Quanto aos 14,95% concedidos em 2023, a gestão municipal contemplou apenas os dois primeiros níveis de progressão, deixando de fora praticamente toda categoria dos professores, que amargam prejuízo imensurável nesses anos do atual governo.

Santa Rita, que um dia ocupou o lugar de um dos municípios da Paraíba que melhor pagava aos profissionais da educação, hoje amarga a realidade de um plano de carreira totalmente destruído, o que causa uma perda de poder aquisitivo irrecuperável para os servidores.

A postura do SINFESA será a mesma desses mais de 20 anos de luta: o direito do servidor estará sempre em primeiro lugar, à frente de interesses particulares ou de ideologias e posturas e pensamentos políticos. O servidor sempre será o norte deste sindicato.

Ao prefeito e à sua equipe, estamos e estaremos sempre dispostos ao diálogo e ao que for melhor para a nossa categoria.

Nosso movimento grevista segue, de acordo com o plano estabelecido pela base até que nossas pautas sejam discutidas com a gestão municipal.

Para receber essa e outras notícias acesse o grupo do BG PB no Whatsapp

Blog do BG PB com PolíticaEtc

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protestos

NO ESCURO: Moradores na Grande João Pessoa protestam contra Energisa após 55 horas sem energia elétrica

(Foto: Reprodução/Montagem Paraíba Já)

Moradores do município de Pitimbu, na Região Metropolitana de João Pessoa, estão fechando o trânsito na PB-008, nas imediações do acesso à Praia Bela, como protesto contra a Energisa, na manhã deste domingo (18). A região está sem fornecimento de energia elétrica a mais de 56 horas, de acordo com os consumidores locais.

Ainda segundo os moradores, diversas localidades já sofrem reflexos da falta de energia, como: problemas no abastecimento de água – que é feito por poço na região; falta de comunicação; e problemas no cotidiano.

 

“Já estamos a mais de 56 horas sem energia elétrica, muitos locais sem energia e outros com meia fase. Estamos chamando a atenção das autoridades, da Energisa, somos consumidores, somos cidadãos, queremos nossos direitos. Aqui temos água de poço, estamos ficando sem água e sem comunicação”, disse um dos líderes do protesto.

 

Ele também conclamou os Ministérios Públicos estadual e federal para apurar o caso, além de pedir desculpas aos que trafegam na PB-008. “Esse protesto é pacífico, pedimos desculpas aos moradores, aos turistas, aos que trafegam na PB-008, mas é necessário fazer para mostrar a essa empresa, que tem o monopólio da concessão de energia, que não vamos aturar o descaso. Ministério Público [Estadual], Ministério Público Federal, estamos aqui mostrando o descaso da concessionária de energia”, afirmou o líder.

Até o momento a assessoria da Energisa não deu retorno sobre o assunto.

Para receber essa e outras notícias acesse o grupo do BG PB no Whatsapp

Blog do BG PB com PBJÁ

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.