Polícia

Polícia Civil prende suspeitos de assaltar agência do Banco do Brasil em Campina Grande seis dias após o crime

Foto: Divulgação

A Polícia Civil prendeu em João Pessoa, nesta terça-feira (17), seis dias após o crime, suspeitos de envolvimento no assalto ao Banco do Brasil no Parque da Criança, em Campina Grande. O crime aconteceu no último dia 11 de maio e clientes e funcionários foram rendidos na agência bancária durante o período da tarde.

As prisões foram executadas, hoje, pela Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DRACO) e pelo Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil.

Com os homens capturados hoje os policiais civis apreenderam um fuzil, uma pistola e munições. Os assaltantes estavam sendo interrogados na Delegacia de Repressão ao Crime Organizado para, em seguida, serem colocados à disposição da Justiça para audiência de custódia.

Na quarta-feira da semana passada, os criminosos chegaram em um veículo modelo Volkswagen Jetta, de cor preta, armados com fuzis. Eles quebraram a porta de vidro da agência com uma marreta, tomaram a arma do segurança e celulares de clientes. O dinheiro do banco também foi levado. No dia do crime, os assaltantes fugiram em direção ao bairro José Pinheiro.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Polícia

Marido alega “desespero” para justificar ter levado corpo de juíza paraibana à delegacia

Foto: reprodução

Em depoimento prestado na manhã desta terça-feira, 17, ao delegado David José Monteiro Siqueira, o juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior alegou que agiu por desespero ao levar o corpo da esposa, Mônica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira, que também era juíza, até a delegacia de polícia no bairro de São Brás, em Belém, no Pará.

Ele acrescentou que tinha discutido com Mônica por volta das 22h30 e que ela havia dito que iria viajar, arrumou as coisas dela e saiu. Na manhã de hoje, aproxidamente, às 6h40, João disse que procurou as chaves do carro, não encontrou e pegou as chaves reserva.

Ao chegar ao veículo que estava estacionado no condomínio onde ele morava, encontrou as portas do carro abertas e no interior dele, Mônica sem vida, com um ferimento de arma de fogo.

Ainda no depoimento, ele informou que a arma usada para o disparo fatal que teria sido efetuado pela própria Mônica era de propriedade dele e estava dentro do automóvel.

O caso está sendo investigado pela Divisão de Homicídios de Belém que solicitou ao prédio onde o casal estava as imagens do circuito interno de câmeras.

A perícia na vítima foi feita no estacionamento da DH, onde João Augusto estacionou o veículo. O corpo da mulher estava no banco de passageiro, porém ainda não se tem a confirmação de que teria sido exatamente naquele assento que ela estava quando foi encontrada por ele. Participaram dos trabalhos uma equipe da Polícia Científica e papiloscopistas.

A polícia já solicitou perícia no estacionamento do condomínio onde o casal tem residência e também no apartamento. O veículo também passará por perícia e o magistrado passará por exame balístico para saber se há vestígio de pólvora nas mãos.

Um parente de Mônica disse que ela não apresentava sinais de depressão. Ao contrário, era “uma mulher tranquila, realizada e de bem com a vida, além de uma juíza brilhante”.

Mônica nasceu em Barra de Santana na Paraíba, mas atualmente trabalhava como juíza no Rio Grande do Norte. Era prima e comadre da vereadora campinense Ivonete Ludgério.

ParlamentoPB

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Tecnologia

TSE e Telegram formalizam acordo inédito para combate às fake news

Foto: DADO RUVIC / REUTERS

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Telegram celebraram, nesta segunda-feira, acordo de colaboração mútua inédito para enfrentamento da desinformação.

A Corte é o primeiro órgão eleitoral no mundo a assinar um acordo com a plataforma que envolve cooperação e ações concretas. Em março, o minstro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), chegou a suspender o funcionamento do aplicativo no Brasil.

A assinatura do acordo formaliza o termo de adesão do Telegram ao Programa Permanente de Enfrentamento à Desinformação no Âmbito da Justiça Eleitoral, feito também em março, na esteira do bloqueio determinado por Moraes.

Segundo o memorando de sete páginas, que deve vigorar até 31 de dezembro de 2022, a parceria envolve a criação de um canal oficial do TSE na plataforma para divulgar informações oficiais sobre as eleições, suporte da equipe técnica do Telegram para o desenvolvimento de um robô para tirar dúvidas dos usuários sobre as eleições, bem como o desenvolvimento de uma nova funcionalidade na plataforma para marcação de conteúdos desinformativos.

De acordo com informações divulgadas pelo TSE, além de dar apoio técnico e inovações no produto para enfrentar a desinformação, o Telegram se comprometeu a apoiar a Corte na divulgação do canal para todos os usuários do aplicativo no país.

O acordo também prevê um canal extrajudicial para que o TSE realize denúncias na plataforma. Quando houver denúncias, o Telegram conduzirá investigação interna para verificar se os canais indicados violaram os termos de serviço e políticas da plataforma.

Do lado do TSE, a Corte firmou o compromisso de fornecer informações e relatórios sobre o desenvolvimento das eleições que possam ser importantes para que o Telegram desenvolva políticas internas e melhores práticas.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Polícia

Polícia prende suspeito de participação na explosão de carro forte no Sertão da Paraíba

Foto: Walla Santos

A Polícia Militar prendeu em Santa Cruz, nesta terça-feira (17), um suspeito de participação na explosão de um carro forte na BR-230, entre Pombal e Aparecida, no Sertão da Paraíba.

A informação foi confirmada ao ClickPB pelo tenente-coronel Guedes, comandante do 14º Batalhão de Polícia Militar (14º BPM). O crime aconteceu nessa segunda-feira (16), o veículo ficou destruído, os vigilantes se esconderam na mata e dois criminosos foram baleados e morreram no Hospital Regional de Sousa após troca de tiros com a Polícia Militar.

As primeiras informações são de que o capturado hoje se chama Cássio e seria o líder o grupo que assaltou ontem o carro forte na região do Serrote do Tigre.

A PM trabalha para capturar outros membros da organização criminosa que explodiu o carro forte e para tentar recuperar os malotes de dinheiro roubados na ação.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MPPB

EIXO LESTE: MPF encontra problemas nos canais da transposição do São Francisco na PB

Foto: reprodução

Nestas segunda (16) e terça-feira (17), o Ministério Público Federal (MPF) realizou perícia no Projeto de Integração do São Francisco (Pisf), Eixo Leste, Meta 3L, e constatou, além de lançamento de efluentes, falta de manutenção em canais de águas de chuvas que vão para o rio Paraíba.

A perícia também constatou assoreamento e deterioração no canal de drenagem de águas superficiais, que fica ao lado do canal que abriga as águas da transposição do rio São Francisco, e serve para reduzir os impactos das chuvas.

A inspeção, realizada no município de Monteiro, na região do Cariri paraibano, até a divisa com Sertânia, em Pernambuco, foi coordenada pelo engenheiro civil do MPF na Paraíba, com apoio de técnicos de Segurança Institucional e Assessoria de Comunicação do órgão.

Outros problemas constatados pelo Setor Pericial do Ministério Público Federal foram pontos de erosão em canais pluviais e no canal da transposição, bem como mato e sujeira no enrocamento, ficando clara a falta de manutenção da obra do Pisf.

Residências financiadas pela Caixa jogam esgoto – Durante a perícia, os técnicos constataram que várias casas da Rua Antônio Saturno Bezerra, financiadas pela Caixa Econômica Federal, foram entregues, recentemente, com fossas fora de padrão normativo, o que faz com que elas estourem e que esgoto seja lançado no canal pluvial e rio Paraíba (na desembocadura da transposição), que ficam próximos à rua.

Problema antigo – Assim como afirmou na semana passada, quando foi realizada primeira diligência no Pisf na região de Monteiro em 2022, a procuradora da República Janaina Andrade avalia que “não há devida atenção com a obra, que teve um elevado dano ambiental, no aspecto social e natural, além do grande dispêndio de recursos públicos (aproximadamente R$ 15 bilhões)”.

Ela lembra que desde quando a transposição obteve a licença para operar (Licença de Operação nº 1464/2018), o problema do esgotamento sanitário em Monteiro, tido como uma das obras complementares ao Pisf, não foi solucionado. Reforçou ainda que o esgotamento é pré-requisito (condicionante) para a transposição e que, passados cinco anos da inauguração, no município de Monteiro, porta de entrada das águas do Pisf na Paraíba, não há conclusão do esgotamento sanitário. “Isso pode interferir na operação comercial do Projeto de Integração do São Francisco”, alertou a procuradora.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política

Por unanimidade, Arthur do Val tem mandato cassado na Alesp

Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) decidiu, nesta terça-feira (17), por unanimidade, com 73 votos a 0, pela cassação do mandato do ex-deputado estadual Arthur do Val (União-SP).

O político foi julgado por quebra de decoro parlamentar devido ao envio de mensagens de voz fazendo comentários sexistas sobre ucranianas que tentavam deixar o país para fugir da invasão russa.

Do Val renunciou ao seu cargo em 20 de abril, entretanto, a medida não surtiu efeito. Segundo o Código de Ética e Decoro Parlamentar, no Capítulo VI, artigo 20, consta: “o processo disciplinar regulamentado neste Código não será interrompido pela renúncia do deputado ao seu mandato, nem serão por ela elididas as sanções eventualmente aplicáveis aos seus efeitos”.

A Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Alesp aprovou, em 3 de maio, por nove votos a um, a procedência do processo do Conselho de Ética que determinou por unanimidade o encerramento de seu mandato.

Entenda o caso

Arthur Do Val viajou para a Ucrânia, no começo de março, para, segundo ele, “ver o que está acontecendo ‘in loco’”, durante a invasão do país pelas forças russas, lideradas pelo presidente Vladimir Putin. Ao sair do país, enviou mensagens de voz a um grupo privado nas quais faz comentários sexistas sobre as refugiadas ucranianas.

“É inacreditável a facilidade. Essas ‘minas’ em São Paulo se você dá bom dia elas ‘iam’ cuspir na tua cara. E aqui elas são supersimpáticas, super gente boa. É inacreditável”, disse.

“Mano, eu ‘tô’ mal. ‘Tô’ mal, ‘tô’ mal. Eu passei agora… são quatro barreiras alfandegárias. São duas casinhas em cada país. Mano, eu juro para vocês. eu contei: foram 12 policiais deusas. Deusas, mas deusas, assim, que você casa e, assim, você faz tudo o que ela quiser. Eu ‘tô’ mal, cara. Assim, eu não tenho nem palavras ‘pra’ expressar. Quatro dessas eram ‘minas’, assim, que você, tipo… mano, nem sei o que dizer. Se ela cagasse, você limpa o c* dela com a língua. Assim que essa guerra passar eu vou voltar para cá”, alega o deputado em outra mensagem de voz.

Em 5 de março, ao desembarcar no Brasil, ele reconheceu a veracidade dos áudios e pediu desculpas pelos conteúdos vazados.

“Foi errado o que falei, não é isso que eu penso. O que falei foi um erro num momento de empolgação. Pelo amor de Deus, gente, a impressão que está passando é que cheguei lá e tinha um monte de gente e falei ‘quem quer vir comigo aqui que eu vou comprar alguma coisa?’. Não é isso, nem poderia. Inclusive nos áudios, de modo jocoso, informal, falo que não tive tempo de fazer absolutamente nada. Nem tempo para tomar banho, estou há três dias sem banho”, disse.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Polícia

Polícia prende seis membros de quadrilha que assaltou hipermercado em João Pessoa em 2016

Foto: Walla Santos/ClickPB/Arquivo

A Polícia Civil da Paraíba, através da Delegacia de Crimes contra o Patrimônio da Capital – DCCPAT – , com apoio do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa de Pernambuco e do Departamento de Polícia Judiciária do Interior Sul do Ceará, deflagrou uma operação visando o cumprimento de sete mandados de prisão preventiva expedidos em desfavor de integrantes da maior organização criminosa do estado do Rio de Janeiro que atuavam em estados do Nordeste.

Os mandados foram expedidos pelo juízo da 1º Vara Criminal da Capital após a conclusão dos trabalhos investigativos no Inquérito policial que apurou a conduta consumada em 04 de agosto de 2016, nas dependências da praça de alimentação de um hipermercado de João Pessoa.

“Homens armados de fuzil subtraíram o montante de R$ 240 mil em espécie, no momento em que seguranças de uma transportadora de valores providenciavam o abastecimento de terminais eletrônicos de auto-atendimento lá existentes”, informou o delegado João Paulo Amazonas.

Com o poderio bélico utilizado e a violência empregada na ação, duas pessoas ficaram gravemente feridas, sendo um vigilante da empresa vítima, alvejado no braço e tórax, hoje permanentemente sequelado, e um idoso, cliente do local, atingido na perna.

Seis mandados de prisão foram cumpridos, sendo quatro no estado de Pernambuco, especificamente na cidade do Recife, e dois no estado do Ceará, na região metropolitana de Fortaleza, constatando-se que o alvo do sétimo mandado já se encontrava em óbito.

Todos os seis presos possuem antecedentes criminais, inclusive com condenações. É mais uma atuação pontual da DCCPAT como instrumento da Justiça Paraibana”, concluiu João Paulo Amazonas.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Polícia

Família rebate tese de suicídio e cobra investigação sobre morte de juíza paraibana

Foto: reprodução

A vereadora Ivonete Ludgério, ex-presidente da Câmara de Campina Grande, afirmou, na noite desta terça-feira (17), que  a família não está convencida da tese de suicídio da juíza paraibana, Monica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira, encontrada morta dentro de seu carro, em Belém, no Pará.

Prima da magistrada, a parlamentar disse que exigirá da Justiça esclarecimento sobre o que realmente ocorreu com sua parente.

“Nós esperamos que a Justiça do Pará, da Paraíba e do Rio Grande do Norte não deixem esse fato sem esclarecimento. Não queremos pré-julgar, mas queremos a verdade. A gente acredita que a verdade vai ser esclarecida e nós vamos cobrar da Justiça esse esclarecimento”, disse a vereadora em entrevista ao programa Hora H, apresentado pelos jornalistas Heron Cid e Wallison Bezerra, na Rede Mais Rádio.

Ainda de acordo com Ivonete Ludgério, uma sobrinha da juíza viajou a Capital do Pará com um advogado criminalista para acompanhar as questões jurídicas e o translado do corpo para Campina Grande.

“Ela deve ser velada no cemitério Campo Santo, mas o sepultamento será em Barra de Santana que ela amava e onde os pais dela estão enterrados”, acrescentou.

Monica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira atuava no Rio Grande do Norte e há um ano era casada com o juiz João Augusto de Figueiredo de Oliveira Júnior que afirma ter encontrado a mulher morta no estacionamento do prédio onde moravam. Ele conduziu o carro com o corpo para a delegacia.

Roberto Targino – MaisPB

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paraíba

VÍDEO: Macaco é salvo de ataque de cães por moradores, em Santa Rita

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Portal BG PB (@blogdobgpb)

Uma cena chamou atenção na tarde desta segunda-feira, 16, em uma rua do bairro Jardim Planalto, em Santa Rita.

Um macaco passava pelo local e estava sendo atacado por cães. Foi nesse momento, que moradores de um condomínio residencial localizado nas proximidades capturaram o animal, evitando assim, que ele fosse morto pelos cachorros.

Os moradores acionaram a Polícia Ambiental para pegar o animal.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política

Moro terá que prestar depoimento à Polícia Federal sobre domicílio eleitoral em SP

Foto: reprodução/Instagram

O Ministério Público Eleitoral (MPE) de São Paulo determinou à Polícia Federal a instauração de inquérito para investigar se o ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) cometeu fraude na mudança de seu domicílio eleitoral do Paraná para São Paulo.

O promotor solicitou ainda que o casal preste depoimento.

A denúncia feita pela empresária Roberta Luchsinger afirma que Moro e Rosângela fizeram a mudança de domicílio sem ter “qualquer vínculo” com São Paulo.

Os dois se filiaram recentemente ao União Brasil e cogitam ser candidatos à Câmara dos Deputados ou ao Senado Federal pelo estado.

Hoje, para fazer a troca de domicílio, a legislação exige residência de ao menos três meses no novo local. Porém, uma jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabelece que o domicílio eleitoral também ocorre pela constituição de “vínculos políticos, econômicos, sociais ou familiares”.

A defesa de Moro justifica que o ex-ministro estabeleceu São Paulo como sua base política desde que voltou dos Estados Unidos, em novembro, e se filiou ao Podemos. Diz ainda que ele passou a residir na capital paulista, no Hotel Intercontinental, cumprindo “agendas semanais” e “valendo-se da cidade como seu hub”.

Desde março, Moro passou a morar com sua mulher em um flat na Zona Sul, endereço que incluiu no cadastro junto à Justiça Eleitoral e onde diz ter um contrato de locação.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.